Quando as crianças são chamadas a pensar…

Quando as crianças são chamadas a pensar o espaço onde habitam

Estivemos em Julho 2018 no  Centro Lúdico de Montoito (Redondo ,Évora) para contar a História Azinheira Sinaleira.

Trata-se de uma uma história que remete para a transformação da paisagem ocorrida por via da construção da Barragem de Alqueva e para o “super-poder” da crianças ao serem chamadas para participarem nas soluções. Não deixando de ser utópico é….um desejo.
Foi também um pretexto para viajar pela paisagem de Montoito do séc. XIX (cartas Perry) e XXI (Google maps). A paisagem, um conceito plástico e dinâmico sobre o qual todos agimos.

montoito cartas
As duas sessões foram muito participadas e distribuídas por dois grupos (6-10 anos e 10-15 anos).
Subjacente à história esteve uma interpretação mais alargada do Artigo 12 da Convenção dos Direitos das Crianças. Este artigo afirma que “Os Estados garantem à criança com capacidade de discernimento o direito de exprimir livremente a sua opinião sobre as questões que lhe respeitem, sendo devidamente tomadas em consideração as op
iniões9779633853_8da1b75cac_b

 da criança, de acordo com a sua idade e maturidade”. Reflectindo sobre a desapropriação das pessoas pelo espaço público muitas vezes expressa por actos de vandalismo ou indiferença pelo bem comum, particularmente mais incompreensível em pequenos meios, revejo-me particularmente na urbanista Alexandra Lange quando escreve que a “Criança deve sentir que participa na construção do ambiente que a rodeia. Quando não participa, reage muitas vezes destruindo-o.”

Inspirado no que afirmei anteriormente, conduzimos um pequeno exercício com as crianças e jovens presentes: se pudesses ajudar a pensar e construir Montoito, o que farias? Esse pequeno exercício, depois de discutido, foi transcrito para umas folhas gigantes de papel. 

Capturar6
Prometemos às crianças e jovens presentes que daríamos conta deste exercício ao presidente do município com conhecimento às próprias crianças. Fizemo-lo, nos dois casos, por carta, em papel, “à antiga”.
É nossa convicção que este tipo de exercícios, mesmo quando conduzido com crianças tão jovens como algumas que participaram nesta actividade, pode ter efeitos a curto e longo prazo na construção de uma cidadania mais participada e benefícios para todos.
Recordamos que tudo isto foi feito em 2 sessões de 1 hora cada.
Nem conseguimos imaginar se fosse feito durante um ano com as crianças de uma  aldeia inteira.

Capturar3Capturar5Capturar2

aa

a2

Última actualização: 28/8/2018